Até perder a vista

Descolamos em três, dois, um!

Voar, ver as coisas lá de cima, estar naquele avião ou ser um pássaro pela manhã…em quantos de nós estes desejos não fizeram parte dos nossos sonhos, só pela vontade de ver o mundo da altura das nuvens, de outras perspectivas. Seguimos viagem então?

Primeira paragem, Munique na Alemanha, cidade de Bernhard Lang, fotógrafo que aqui será piloto e nosso guia numa viagem pelas alturas. De entre tantas viagens, foi após uma escala em Tóquio há quatro anos que, pela janela, viu um manto de neve da Sibéria aos seus pés e decide fotografar. Mal soubera que seria esse disparo, aquele momento que o levara a repensar a sua carreira até então como fotógrafo comercial.

Desde desse momento, é de máquina e de avioneta que regista paisagens  e o resultado é de cortar a respiração. Minas de carvão alemãs, pequenos povos e bairros residenciais, praias ensolaradas ou mantos nevados fazem parte dos projectos de Bernhard Land, retratos autênticos e muito expressivos, com mensagens em torno de causas naturais ou a presença humana.

Bernhard Lang fotografía aérea paisajes

Próxima e grande paragem, Adria,  Itália, onde numa viagem de férias Lang encontrou um misto de cores, padrões se alinhavam à beira-mar. Praias cheias de gente e aqueles guarda-sóis que às vezes se tornam aborrecidos, foram interpretados de outra forma, noutra perspectiva. Os guarda-sóis, o seu alinhamento e todas aquelas cores padronizadas não passaram despercebidos aos olhos do fotógrafo alemão, que no ano seguinte a estas férias regressou a esta região do Mar Adriático propositadamente para os fotografar nessa perspectiva, nessa simetria cromática, essas composições tão bonitas.

Façam várias escalas por outros destinos, por outros projectos do fotógrafo como Miami, Florida, pelos portos e outros terminais industriais e até de canoa, seja por onde for deixem-se ficar sem pensar nas horas.

Para terminarmos esta viagem, Benhard Lang diz que “A mensagem pode ser para mostrar o impacto dos seres humanos sobre o meio ambiente. Por outro lado, a visão panorâmica revela que somos apenas criaturas pequenas, não tão importante como pensamos que somos.”  A imagem é a de que somos formigas num grande e bonito formigueiro, e que voltar a ser criança e desfrutar de pequenas coisas sozinho é uma questão de tempo, de vontade e de boa companhia. Esqueçamos as vertigens e vamos voar mais alto!

Praia vista de cima (7)

Praia vista de cima (5)

Praia vista de cima (4)

~ um chá entre guarda-sóis ~

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s