Chá das 3

A Guarda da Praia

Adorava ter uma casa pequenina numa praia onde o tempo estivesse sempre bom.
Consigo imaginá-la e a tudo o que a rodeia. É branca, tem paredes que são janelas, um pequeno alpendre – com uma rede onde confortavelmente me aninho a ler – e está exactamente em cima de uma duna rodeada apenas de pequenas ervas que ali cresceram sem pedir.

O clima é ameno. O termómetro nunca passa dos 28 graus, nem desce dos 20: é perfeito.
Não sei quem criou aquele sítio, mas certamente fê-lo num dia de grande inspiração. É o melhor sítio do mundo. O meu sítio.

Já pensei várias vezes em mudar-me para lá, mas, como em tantas outras ocasiões na vida, as circunstâncias não mo permitem. Ando sempre tão atarefada com coisas que me foram impostas, que às vezes parece que me esqueço daquilo que gosto, daquilo que me faz sentir bem, daquilo que é genuíno em mim e me faz ser eu.

Há sempre um padrão. Em tudo. E temos porque temos de segui-lo. Porque não é bem visto, porque não vamos ser alguém, ou, simplesmente, porque “é assim”. E aceitamos. Contentamo-nos com aquilo que nos é imposto, que, na maioria das vezes, vale tão pouco que esquecemos quão bom é sentir a concretização de uma ambição. Aquele sentimento de conquista que nos faz sentir plenos, bem connosco próprios. Esta antagonia do “eu” a que somos expostos mal vimos ao mundo não faz sentido.

A partir deste padrão criamos medos que não nos deixam sair da zona de conforto e quebrar essas malditas imposições que nos fazem acreditar que as coisas são boas se forem planeadas, todas iguais e totalmente predefinidas. Como se já soubéssemos, à partida, aquilo com que contamos, o que podemos esperar, o que vamos viver e como vamos fazê-lo. Isto está tão errado.

Fazem-nos acreditar em algo que ao longo da vida revela ser totalmente o oposto. Como? Da pior maneira. Achamos que se fizermos tudo bem daremos tantos trambolhões como um sempre-em-pé e, no fim, passamos o tempo a ir ao chão. De cara, às vezes.

É certo que depende de nós fazer com que as coisas mudem, sair da nossa zona de conforto. E eu queria tanto ir passar uns dias à minha casa pequenina naquela praia onde o tempo está sempre bom. Mas, como em tantas outras ocasiões na vida, as circunstâncias não mo permitem… Especialmente porque a minha casa pequenina naquela praia onde está sempre bom não existe. E eu não sei viver sem ela.

~ um chá de circunstâncias ~

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s