Até perder a vista, Chá das 3

Travel Post #16 – Suíça

A Primavera chegou!

E, para encerrar a temporada de Inverno nada melhor do que uma viagem não é?!

Melhor que uma viagem, só mesmo juntar 3 amigas para fazer uma road trip por um país lindo como a Suíça!

582ea5cb-1620-462e-96f2-c70576c40ff3

Antes de chegarmos houve uma frente fria que deixou a Suíça coberta de neve, senti-me uma criança feliz em pleno Natal.

No primeiro dia fomos explorar Basel e Bern.

IMG_7085

Basel é uma cidade super colorida com pitorescos edifícios medievais, visitámos a igreja na qual subimos à torre, que definitivamente não é aconselhada a pessoas com vertigens (trust me), passámos no largo da câmara que é um edifício gigante laranja que não passa despercebido e passeámos perto do rio Reno.

Ao chegar a Bern vimos a cidade de cima, parecia mesmo a cidade Natal, amei! Muita neve, aquelas ruas lindíssimas, a casa do Einstein e a torre do relógio que infelizmente estava em obras.

IMG_7103É uma cidade adorável que dá um postal de Natal perfeito e as pessoas são super simpáticas. Tivemos o azar e enterrar o carro na neve e um senhor, já com uma certa idade, apesar de falar alemão e de nós entendermos tanto do que ele dizia como de física quântica lá nos conseguiu ajudar a tirar o carro. Uma comédia!

dia seguinte começou bastante docinho. Fomos à Maison Cailler conhecer as maravilhas do chocolate Suíço, mas sem antes fazer uma paragem para sentir a neve a cair na cara, tão bom, parecíamos umas criancinhas felizes.

Voltando ao chocolate, foi uma deliciosa experiência, ficámos a saber toda a história do chocolate e saímos de lá a rebolar, foi comer chocolate até não poder mais.

Seguimos para Gruyères, uma cidadezinha medieval, mais conhecida pelo queijo suíço que é lá produzido. Por lá demos uma voltinha até ao castelo e fomos beber uma cerveja belga a um bar inspirado em extra-terrestres, enquanto esperávamos que parasse de nevar.

IMG_7156

Quando a neve acalmou continuámos a nossa aventura até Montreux. 

Montreux fica à beira do lago de Genebra, é uma cidade completamente diferente do que tínhamos visto até então.

Na verdade tudo na Suíça é exageradamente bonito, mas Montreux parece que resolveu exagerar o exagerado. O Lago com os Alpes como fundo, a arquitectura, o castelo, o Freddie Mercury, enfim fiquei apaixonada pela cidade.

Mal chegámos fomos dar uma volta pelo parque em redor do lago, fazer uma visita à estátua do Freddie Mercury, que passou os últimos anos da sua vida nesta linda cidade e onde os Queen gravaram alguns álbuns, incluindo o “Made in Heaven” que Freddie já não acompanhou até ao fim.

Foto aqui, foto ali, e seguimos para o Château Du Chillon.

 

O Château Du Chillon é um castelo medieval à beira do lago, onde viveram alguns nobres da região a partir do século XII, já serviu de fortaleza, arsenal e prisão. Está localizado numa posição estratégica, e oferecia um controle absoluto do lago à família Sabóia, que viveu ali em 1150. O castelo é enorme, tem uma vista maravilhosa, como estava cheio de neve, por dentro é impossível não ver um pouco de Game of Thrones ali, por fora é impossível não associar ao castelo do príncipe Eric da Pequena Sereia, já que foi precisamente este castelo que lhe serviu de inspiração.

O dia terminou com um jantar maravilhoso no cimo da montanha, fomos a Jolimont comer um delicioso fondue paysanne. Depois de um dia de passeio e com 5 graus negativos lá fora soube maravilhosamente bem. O dono do restaurante no final vem falar um bocadinho a cada mesa, dar aquele toque pessoal, fazendo-nos sentir em casa.

No fim do jantar, adivinhem?! Voltámos a ficar com o carro a patinar na neve, mas como sempre, encontrámos pessoas simpáticas que nos desenterraram o carro.

ab175523-1abe-47a3-b46d-0e5860740d75No dia seguinte uma aventura nos esperava nos Alpes! O dia estava lindo e por isso fizemos algumas paragens pelo caminho em Oberried am Brienzersee onde se vê o lago imenso com o Alpes como fundo.

Já em Grindelwald apanhámos o teleférico até ao First (ai ai as minhas vertigens). Depois de hiperventilar um bocadinho lá me consegui distrair com a paisagem, com as casinhas de madeira que fazem lembrar a casa do avô da Heidi e com as pessoas lá em baixo nas pistas de sky.

Um dia bom para ir ao First é com céu limpo, por isso estávamos um pouco a medo quando começámos a ver algumas nuvens de neve a formar, mas aproveitámos ao máximo o sol que estava naquela altura.

42ba68ae-2e5f-4e13-a83d-35abd8a0d920Na montanha First o verdadeiro desafio (pelo menos para mim) é o passadiço à volta da montanha, onde se conseguem ver as paisagens e algumas cascatas congeladas. Como não desisto ao primeiro tremelique lá fui eu, mas obviamente não consegui ir até meio quanto mais até ao fim. Enquanto esperava que elas fossem dar a volta fiquei ali no ponto da minha pequena vitória a perder o medo e a respirar aquele ar. Entretanto começou a nevar, que sensação mágica!

A nossa ideia era ir até um lago muito conhecido ali perto, mas o tempo começou a fechar, nevava imenso e deixamos de ter visibilidade. Então decidimos aproveitar aquela neve fofinha e pulámos, saltámos, atirámos bolas de neve umas as outras e até foi feito um anjinho na neve.

Depois da aventura na neve lá descemos novamente no teleférico, desta vez com menos medo e fomos ver a cascata congelada em Lauterbrunnen.

No regresso a casa ainda fizemos uma paragem em Thun, não sei porquê aquela cidade fez-me lembrar Nárnia.

O dia seguinte começou bem cedinho, decidimos dar um saltinho a Milão.8cd43e18-4dd7-4e5e-83a6-9f4298a59e57

O caminho fez-se muito bem, uma paisagem mais bonita que a outra, e passámos no terceiro maior túnel do mundo, o túnel Saint-Gothard com 17 km.

Em Milão a neve já estava a derreter, o que fez da passagem no parque um desafio, parecia que estava numa pista de gelo e me tinha esquecido dos patins de gelo. Demos uma volta no Castelo Sforzesco e continuámos em direcção ao Corso Vittorio Emanuele II, a rua imensa cheia de lojas que nos guia até ao Duomo di Milano.

IMG_7465

O Duomo é uma edifício magnifico, majestoso, situado numa praça gigantesca e cheia de gente. Não entrámos na catedral porque a fila estava enorme, optámos por caminhar nas ruas ali à volta, ver o movimento e atracções das ruas.

Claro que não podia faltar a visita à Galleria Vittorio Emanuele II. O centro é em forma de cruz onde há o encontro das duas vias. Respira-se a alta costura, e o piso é revestido com mosaicos onde em cada uma das quatro esquinas está desenhado o brasão das cidades de Milão, Turim, Florença e Roma. No de Turim há uma pequena curiosidade e não é difícil de encontrar, porque é aquele que mais pessoas tem à volta a rir às gargalhadas.

IMG_7496

No centro do brasão de Turim há um touro, a lenda diz que dá sorte pisar com o calcanhar do pé direito os testículos do touro e girar três vezes, à meia-noite do dia 31 de Dezembro, mas na verdade o ritual é repetido por turistas diariamente. Obviamente que também pisámos o bicho e demos as voltinhas.

Fomos comer a bela pasta e regressámos à Suíça, fazendo uma paragem em Lugano.

Lugano tem uma arquitectura característica de Itália pela sua proximidade e é uma cidade muito bonita que respira moda.

Tem um parque em volta do grande lago, no qual fizemos um passeio ao por do sol, o que tornou a cidade muito mais bela.

A nossa ideia era acabar o dia em Luzern a comer um belo hambúrguer num festival que estava a decorrer, o que até teria acontecido se não tivéssemos andando na palhaçada e a babar nos abdominais de um grupo de dança em Milão. Enfim, não se pode ter tudo! Como na Suíça tudo fecha cedo e chegámos a Luzern tarde lá se foi o hambúrguer mas ainda passeámos um bocadinho por lá, atravessámos a Ponte da Capela que atravessa o rio na diagonal e tem pinturas que representam um pouco da história local. No meio da ponte está a Torre da Água.

IMG_7646

No último dia a neve já estava a derreter e o sol veio fazer-nos companhia até Rheinfall.

Nem tenho palavras para descrever aquele sítio, é simplesmente fan-tás-ti-co!

Aquelas cascatas imensas, a água tão azul, imagino aquilo no verão tudo verde à volta. Perfeito! Fizemos uma caminhada em toda a volta das cascatas e no verão até dá para ir de barco até à pedra central onde está a bandeira suíça, deve ser assustadoramente fabuloso.IMG_7652

Seguimos para uma cidadezinha que parece que parou na idade média, era quase como uma cidade medieval de bonecas, pequenina e fofinha! Estávamos em Stein am Rhein. Por lá passeámos, aproveitámos o solinho no parque à beira rio a descansar um pouco.

Para o fim deixámos a magnifica Zurich. Aquela cidade é simplesmente uau! Grande, gigante até, super colorida, cheia de gente, de movimento, edifícios lindíssimos reflectidos no rio que atravessa a cidade. Passámos a tarde toda lá, é uma cidade que cada canto é apaixonante e de uma beleza singular.

Obrigada Andreia por nos receberes na “tua” pequena vila no meio das montanhas, Moutier, é sem dúvida bonita e toda a Suíça que nos mostraste é apaixonante. Joana, minha Jones, obrigada por embarcares nesta aventura connosco, viajar contigo é sempre uma comédia pegada.

Até uma próxima aventura meninas, é só escolher o destino!

‘Because the greatest part of a road trip isn’t arriving at your destination. It’s all the wild stuff that happens along the way.’

IMG_7791

~ Um chá de chocolate e aventura ~

Anúncios
Standard
Até perder a vista, Chá das 3

Travel Post #15 – Mini EuroTrip

Para acabar bem o ano que tal uma mini EuroTrip?!

Uma semana, três cidades europeias, três amigas, muito frio, muitas risadas, um cansaço tão bom!

As três cidades escolhidas foram Paris, Bruxelas e Amesterdão!

Estas cidades já foram faladas aqui no blog quando outras shakers as visitaram, por isso toca a ir recordar!

Primeiro…Paris!

24232782_10155908237638571_137434677338601632_n

tão famosa cidade da luz nunca foi um destino que estivesse no topo da minha bucket list e por isso não ia com expectativas por ai além. Chegámos à noite, aeroporto com neve do dia anterior, um frio de rachar e depois de algumas peripécias no metro (só naquela de começar a viagem a rir à gargalhada), deixámos as tralhas no hotel e fomos ver a Torre Eiffel. “Uaaaaaaau que lindoooo” foi a reacção, que durou certa de 5 segundos, porque logo a seguir quase tropeçámos num mar de ratazanas (já percebi de onde veio a inspiração do Ratatui), medo!24131411_10155907105873571_8361391269358912295_n

 

Passeámos pela cidade, vimos a Torre Eiffel de dia e de noite, mas o nevoeiro não inspirou à subida, foto aqui e ali no Trocadéro, vimos o Louvre por dentro e por fora, demos uma volta no Jardin de Tuileries, fomos até à “nova” Pont des Arts, a maravilhosa Notre Dame, fomos ao Château de Versailles, Moulin Rouge e subimos até ao Sacré Coeur, fomos até Marais, às Galeries Lafayette, Arc de Triomphe e percorremos os maravilhosos Champs-Élysées…enfim foram 3 dias preenchidos e, já mencionei, com muuuito frio?!

No final das contas, Paris, é uma cidade que tem a sua beleza, mas não me apaixonou, faltaram mais luzes de natal, mercados de natal mais recheados, um dia, breve, quero voltar, mas à Disneyland!

Seguimos  até Bruxelas, tivemos apenas um dia, mas deu para ver o centro com calma. É uma cidade bastante multicultural, pessoas simpáticas, a cerveja é diferente mas muito boa e as waffles ma-ra-vi-lho-sas!

24312569_10155917891208571_887990655907293604_n

primeira coisa que fomos ver foi o famoso Manneken-Pis, tãaaaao piquitito e adorável! Mais à frente é a Grand Place, uma praça linda de morrer com edifícios imponentes neo-góticos, uma árvore de natal gigante e à noite ainda vimos um video mapping de Natal, foi tão giro! Passeámos pelo mercadinho de natal, recheado de doces e artigos típico e de natal, fomos até ao fabuloso Mont des Arts que tem uma vista fantástica do centro histórico e do jardim, subimos até ao majestoso Palais Royal, passámos nas Galeries Saint-Humbert e fomos até ao Delirium Café.

No dia seguinte logo de manhãzinha rumámos a Amesterdão, último destino da viagem e para mim o mais aguardado! Para trás deixámos Bruxelas, uma cidade que achei imponente e maravilhosa.

Não imaginam há quanto tempo eu queria ir a Amesterdão, estava nos primeiros lugares da minha bucket list, e sem dúvida, superou expectativas e quero muito voltar para conhecer o que não conheci e também para conhecer outras cidade holadesas.

Lembram-se do frio que passámos em Paris? Pois é…em Amesterdão juntou-se uma espécie de micro clima do ártico. Frio, neve, gelo e isto tudo tocado a vento, mas nem isso nos desanimou. Fartámos-nos de andar e acabámos por perceber que afinal era tudo muito perto umas coisas das outras, menos o hotel, mas como o sistema de transportes deles era tão bom e tínhamos o metro mesmo à porta isso pouco importou.

25152321_10155931899298571_7808903879203150725_n

Ficámos no Via Amsterdam, que fica em Diemen, um hotel acolhedor, com decoração divertida, pessoas simpáticas, super recomendo!

Barato nesta cidade é uma palavra desconhecida, por isso, optámos pelo I Amsterdam City Card de 72h que nos dava acesso livre a quase todas as atracções da cidade e a todos os transportes.

Começámos na imponente Central Station, fomos até ao Mercado das Pulgas, tem de tudo aquele sítio, depois seguimos até ao Rijksmuseum onde estão as famosas letrinhas I amsterdam e a pista de gelo, depois da paragem da praxe para tirar fotos e de uns quantos quase atropelamentos por bicicletas fomos até ao Museu de Van Gogh. Para acabar o primeiro dia em beleza fomos até à Heineken Experience. Que máximo, adorei!

Nos dias seguintes fomos até ao Museu Casa de Rembrandt, Museu da Túlipa, Museu de Amesterdão, Oude Kerk, visitámos uma Casa Barco, fomos dar uma passeio de barco pelos canais, vimos as famosas Coffee Shops, a Red Light District, comemos a deliciosa Tarde de Maçã na Winkel.

24796752_10155925607823571_3496929097352509860_n

Ficou ainda muito para ver porque realmente o tempo não ajudou muito à festa, mas sem dúvida é uma cidade maravilhosa, toda a gente simpática, em todo o lado nos diziam pelo menos uma palavras em português, amei!

Foi uma semana intensa mas super divertida, obrigada Pi e Andreia pela aventura, já estou a matutar na próxima!

24174514_10155909936573571_8855247211324604784_n

~ Um chá de aventura ~

Standard
Chá das 3, Chá de Camomila, por favor!

Travel Post #11 – Sevilha

Fins-de-semana, pontes e feriados são sempre um bom argumento para programas diferentes. Aquilo que começou por ser uma visita a Óbidos, essa vila pitoresca e que agora no Natal se transforma e faz jus a esta quadra, terminou numa viagem a Sevilha. Sem muito tempo para planear, fizemo-nos à estrada…queríamos aproveitar o máximo destes curtos dias.

Para trás ficava Lisboa, chegava-mos a terras de longas e douradas planícies, o inconfundível Alentejo. Uma passagem por Évora, por Estremoz, Elvas e o resto já sabem…”Oh Elvas, Oh Elvas…Badajoz à vista”, mas a nossa paragem seria em Mérida. Nas margens do Guadiana, esta pequena cidade espanhola, Património da Humanidade, respira história e anda de mão dada entre o passado e futuro. Nesta nossa passagem, as ruas estavam cheias de pessoas, cheias de crianças, cheias de sorrisos, já se sentia o Natal, aquela nostalgia. Mas a noite chegara e obrigava-nos a seguir caminho…duas horas e ai está ela, luminosa, agitada, é sexta-feira em Sevilha!

Depois de instaladas, tempo para umas tapas, uma cerveja e pouco mais, um passeio pelo centro histórico. Queríamos contrariar a vontade, mas também queríamos aproveitar o dia seguinte, tínhamos o tempo contado nesta viagem e portanto, hora de dormir!

Sabem aquela sensação de acordar num sitio novo, desconhecido, que nos inquieta por ter tanto estranho quanto de surpreendente?…assim foi, a vista do nosso quarto trazia um sol janela dentro, na varanda garridas flores vermelhas e atiçava a vontade de levantar da cama e seguir à descoberta, e assim foi…

Se já tinhamos visto a soberba catedral à noite, a luz do dia revelava a sua magnitude. A Giralda, um antigo minarete (torre de uma mesquita), agora integrado na Catedral de Sevilha é Património Mundial da UNESCO. Seguimos para o Real Alcazar, que funde diferentes estilos na sua arquitectura, pois tem construções de diferentes épocas. Para mim, apaixonada por azulejos e padrões, é sem dúvida a vertente islâmica que me atraíra, a riqueza daqueles azulejos, a sua beleza, as suas cores e formas. Ou então, aqueles arcos e janelas, aquela luz, não sei se o verde das plantas, tropicais se o laranja em contraste nas laranjeiras…não sei o que gostava mais, até aos jardins tropicais, de labirintos e pequenas fontes. Tudo me tomava o olhar, enchia o coração de tão belo…Património Mundial, este palácio foi também cenário da série Games of Thrones!

Com isto, chegara a hora de almoço…a rua estava cheia de gente, nas esplanadas as pessoas já petiscavam. A gastronomia aqui é deliciosa, não fosse eu também um bom garfo. Entre tapas, paella e cerveja ficamos saciadas. Restava-nos visitar a Plaza de Espanã, com pequenos barcos, os jardins com cores de outono, as ruas com coches a cavalo, a Torre Del Oro mercados típicos com petiscos e um passeio junto ao rio cheio de sol, pois o tempo estava contadinho que depressa chegara a hora do lanche e de regresso a casa, a Lisboa.

Não houve tempo para mais, restava-nos apenas a certeza de voltar com mais tempo, repetir e visitar o que não se conseguiu desta vez…porque Sevilha sem dúvida nos encantou!

sevilla

~ uma viagem por Espanha e chá de sabor arábico ~

Standard
Chá das 3

Travel Post #4 – Amesterdão

Tenho que começar já por dizer que me apaixonei por Amesterdão!

Esta é a cidade onde a bicicleta e o salto alto combinam na perfeição, onde o fato e a gravata acompanha a pedalada diária e onde o bom gosto e o estilo são Reis.
Ao contrário do que as mentes menos evoluídas possam pensar, as Coffee Shops e a relação liberal com as drogas leves, não são, de todo, o foco da cidade e de quem a visita.

Os Canais que atravessam toda a cidade, as suas características e o ambiente descontraído são a principal atracção. A ausência de poluição e a agitação controlada, fazem-nos esquecer que estamos numa capital europeia.

Todas as ruas são bonitas… A cidade transpira arte. Os cafés típicos, conhecidos como brown cafés, são qualquer coisa de especial. Em conjunto com a envolvência da cidade, estes espaços, remetem-nos para outra época. Uma época vintage, cheia de intelectualidade, arte e muitas ideias liberais.

A facilidade em encontrar comida vegetariana e opções mais saudáveis são o espelho de uma sociedade elegante e bonita. (Penso que é a cidade com mais pessoas bonitas por metro quadrado.)

As feirinhas e mercados de rua fazem as delícias de qualquer um. Comida, roupa, bugigangas e mobílias. É possível comprar tudo nas ruas. Locais e turistas misturam-se nesta vibe vintage e cosmopolita.

A valorização da estética e do design vê-se em todo o lado, desde os edifícios imaculadamente preservados, à decoração das casas e lojas locais.

A Red Light é um local turístico onde o sexo e a prostituição são abertamente vendidos. Para alguns pode ser em demasia, para outros é apenas a liberdade de ser, fazer ou dizer o que realmente lhes vai na alma.

Confesso que ver mulheres, incrivelmente bonitas, numa montra sob uma luz vermelha, prontas para serem escolhidas, como se de manequins se tratassem, deu-me a volta ao estômago. No entanto, se esta exposição humana é feita por vontade própria apenas respeito.

No fundo, Amesterdão é um misto entre o vintage e o moderno. Vou voltar de certeza!

Um grande inconveniente para quem pensa viajar para esta cidade é o alojamento. Apesar de existir uma capacidade hoteleira elevada e com qualidade, ficar em Amesterdão é caro! Seja um hostel, uma casa ou um hotel, preparem-se para gastar mais no sitio onde vão dormir do que no decorrer da viagem. Uma boa opção que possibilita encontrar preços para todas as bolsas e casas/quartos para todos os gostos é o Airbnb.

Locais a não perder em Amesterdão:

* Flower Market: Um mercado sob um dos canais que junta souvenirs, flores e sementes. As tradicionais tulipas são lindas e disponíveis para todos os gostos.

* Coffe Shop: Mesmo para quem não tem interesse em experimentar a típica Marijuana, o ambiente nestes espaços é pacifico e muito social. Aconselho um chá para descansar das longas caminhadas na Super Skunk.

* Passeio de barco: Simplesmente maravilhoso. Para ficar a conhecer os recantos da cidade, nada melhor que um passeio pelos românticos canais da cidade.

* Vondelpark: Um extenso parque verde, lindo e com um ambiente tranquilo. Vale a pena um passeio nesta zona ou até mesmo uma corrida ao ar livre.

* Albert Cuyp Straat Market: Este mercado apenas está disponível ao Sábado e é o maior mercado da cidade. É possível comprar todo o tipo de coisas. As lojas locais estão presentes no mercado com preços mais acessíveis. É uma perdição :P

* Museumplein: Para quem procura arte e cultura, esta é “A” zona. Nesta área encontram-se os museus Rijksmuseum e Van Gogh. Existe também um museu de diamantes. É também neste local que encontramos as lendárias letras “I Amesterdam”.

01

~ Dica para os mais gulosos: Um chá de menta e uma tarte de maça na Winkel, vai fazer-vos chorar por mais!!! ~

Standard
Chá das 3

Travel Post #2 – S. Miguel, Açores

O headshake foi até aos Açores, mais precisamente à bela ilha de S. Miguel.

S. Miguel é uma ilha maravilhosa, na sua paisagem impera o verde, o mar e, claro, as vaquinhas!

Não consigo encontrar uma coisa naquela ilha que não tenha adorado e a companhia não podia ser melhor, a família!

As pessoas eram super simpáticas, com aquele sotaque singular, que se for de uma pessoa mais velha é preciso estar-se com grande atenção para não nos escapar nada.

Logo no primeiro dia, com mapa em riste e a desorientação em alta, andávamos à procura de um certo local na cidade de Ponta Delgada, até que decidimos perguntar a um senhor se íamos no caminho certo. O senhor, deixou os amigos com quem conversava e disponibilizou-se logo a acompanhar-nos. Lá fomos, falando e andando, e não é que o senhor conhecia Coimbra e era grande fã da Académica?! Que máximo!

A ilha é só sobe e desce, tanto está sol e calorzinho nas zonas mais baixas, como está um frio de rachar e um nevoeiro imenso nas zonas mais altas. No caminho são campos sem fim com as vaquinhas a pastar, e atenção redobrada porque a qualquer momento uma pode vir passear até à estrada.

Vimos as inúmeras lagoas, a Lagoa das 7 cidades, fomos até à vista do rei, nome que assenta que nem uma luva, porque realmente a vista daquele miradouro para as 7 cidades é deslumbrante.

Passeios a pé, caminhadas infinitas, “operação stop” de vacas leiteiras e volta a ilha dada, com passagem pela Lagoa do Fogo, Caldeira Velha e banho quentinho (a escaldar) da Poça da D. Beija. Meditação no Miradouro do Sossego, passagem da Ribeira do Caldeirões, pela Ferraria onde há uma piscina natural (se a maré estiver baixa a água está quentinha) e o belo cozido típico das Furnas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A meio da volta à ilha seguimos a rota do chá. Pois é, a ilha de S. Miguel possui as únicas plantações de chá da Europa. Fui até ao Chá Gorreana onde pude conhecer as plantações, o tratamento e todo o processo até ao empacotamento. No final foi a prova do chá, que delicia. Claro que tive de trazer um pacotinho de Chá Preto Pekoe, que é o chá feito da segunda folha, o mais delicioso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Até os peixinhos bebem chá aqui!

A aventura pela ilha foi uma experiência única. Um local curioso, relaxante e cheio de surpresas.

Visitem porque vão adorar! Agora ficam 8 ilhas por conhecer, até breve Açores!

~ Um chá e uma viagem ~

Standard